Antropologia Ecológica: Uma Área da Ciência a Serviço da Sustentabilidade

Homero Jorge Mazzola, Bruno Giovanni Mazzola

Resumo


Mudanças ambientais têm despertado a atenção não somente da ciência, mas também de governos e da sociedade civil, em razão dos prognósticos pessimistas sobre o futuro da humanidade. O modelo capitalista tradicional surge como principal responsável por esse status quo, o que tem despertado reações globais, tanto por parte da ciência, como de instituições e movimentos sociais, locais e internacionais, que vêm alertando sobre a necessidade urgente de mudanças na economia, na política e nas ações da sociedade civil. Essas mudanças exigem uma visão multidisciplinar sobre os problemas atuais e as possíveis soluções. A Antropologia se insere nesse esforço possibilitando, a partir do entendimento do homem e de suas relações com o ambiente natural, novos conhecimentos que suportem o esforço planetário de se construir uma nova cultura ecológica coerente com as necessidades da contemporaneidade e com o desenvolvimento de uma sociedade verdadeiramente sustentável. Desenvolvimentos antropológicos das últimas décadas mostram essa possibilidade. Espera-se, com a discussão neste ensaio, contribuir para uma maior conscientização sobre esta problemática.

Palavras-chave


Antropologia ecológica; Cultura ecológica; Desenvolvimento sustentável; Sustentabilidade; relações cultura-natureza

Referências


Boff, L. (2002). Ecologia, mundialização, espiritualidade: a emergência de um novo paradigma. São Paulo: Editora Ática.

Brundtland, G. H. (1987). Our common future: report for the World Commission on Environment and Development. United Nations.

Capra, F. (2005). O tao da física. São Paulo: Editora Cultrix.

Capra, F., & Luisi, P. L. (2014). A visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosófica, políticas, sociais e econômicas. São Paulo: Cultrix.

Credit Suisse. (2013). Global wealth report 2013. Zurich: Credit Suisse. Recuperado de https://publications.credit-suisse. com/tasks/render/file.

Domingues, S. A. (2011). Visões da natureza – notas sobre o pensamento futuro e o saber indígena. In Simonetti, M. C. L. (Org.). A (In)sustentabilidade do desenvolvimento – Meio ambiente, agronegócio e movimentos sociais (pp. 17-24). Marília: Cultura Acadêmica.

Foladori, G., & Taks, J. (2004). Um olhar antropológico sobre a questão ambiental. Mana, 10(2), 323-348.

Harding, S. (2008). Terra Viva. São Paulo: Cultrix.

IPCC – Intergovernamental Panel on Climate Change – 5º Relatórios sobre Mudanças Climáticas, de 2014. Recuperado de http://www.ipcc.ch/publications_and_data/publications_and_data_reports.shtml.

Laplantine, F. (2006). Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense.

Lees, S. H., & Bates, D. G. (1990). The ecology of cumulative change. In The ecosystem approach in anthropology, 247-277. Ann Arbor: University of Michigan Press.

Lévi-Strauss, C. (1993). Antropologia Estrutural Dois. Tempo Brasileiro.

Lowy, M. e Bensaid, D. (2000). Marxismo, Modernidade e Utopia, São Paulo: Xamã.

Magurran, E.. & Dornelas, M. (2010). Biological diversity in a changing world. Philosophical Ttransactions of the Royal Society of London. Series B, 365: 3.593-97.

Mauss, M. (1992). Sociologia e Antropologia. São Paulo: EDUSP.

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio teórico. Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 320-332.

Milanez, F. (2003). Desenvolvimento sustentável. In Cattani, A. D. (Org.). A outra economia. Porto Alegre: Veraz Editores, 76-84.

Moraes. M. C.; & Almeida, M. C. M. (2012). Os sete saberes necessários à educação do presente: por uma educação transformadora. Rio de Janeiro: Wak.

Morin, E. (1996). El pensamiento ecologizado. Gazeta de Antropología, 12, artículo 01.

Morin, E. (2012). O Método 5 – A Humanidade da Humanidade – A identidade da identidade. Porto Alegre: Ed. Sulina.

Morin, E. (2013). A Via para o Futuro da Humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Neves, W. A. (1996). Antropologia Ecológica: um olhar materialista sobre as sociedades humanas. São Paulo: Cortez.

Piketty, T. (2014). O Capital no Século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. (2011). Relatório de Desenvolvimento Humano de 2011. Recuperado de http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr_2011_pt_complete.pdf

Rivera, S. M. G. (2010). Por uma cultura ecológica (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Silva, R. D., Jr. (2013). A Sustentabilidade Como Híbrido: Um Diálogo Entre Ecologia, Sociologia e Antropologia (Tese de doutorado). Universidade de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/280507/1/Silva%20Junior%2c%20Roberto%20Donato%20da_D.pdf

Steward, J. H. (1953). Evolution and process. Anthropology today, 313-326. Chicago: Chicago Press.

Steward, J. H. (1955). Theory of Culture Change. The Methodology of Multilinear Evolution. (Second Printing.). University of Illinois Press.

Thompson, J. B. (1995). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes.

Veoverde (2012). Planeta Vivo: Necesitamos de 1,5 planetas para mantener el estilo de vida moderno. Recuperado de https://www.veoverde.com/2012/05/sigue-online-la-presentacion-del-informe-planeta-vivo-en-sincronia-con-todo-el-mundo/

Wallerstein, I. (2002). O Fim do Mundo como o Conhecemos. Rio de Janeiro: Revan.

White, L. A. (1943). Energy and the evolution of culture. American Anthropologist, 45(3), 335-356.

White, L. A. (2015). The science of culture, a study of man and civilization. New York: The Scholar's Choice


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional