Análise das Práticas de Gestão Ambiental de Empresas Sediadas no Estado de Minas Gerais – Brasil na Ótica da Ecoeficiência

Ana Carolina Vasconcelos Colares, Márcia Athayde Matias

Resumo


Utilizando uma definição do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD) que diz que a ecoeficiência é obtida pela entrega de bens e serviços com preços competitivos que satisfazem as necessidades humanas e trazem qualidade de vida, progressivamente reduzindo impactos ambientais, este texto analisa o que as empresas têm feito para alcançar essa condição, com o seguinte questionamento: as empresas mineiras de médio e grande porte estão adotando práticas de gestão ambiental que estimulem resultados ecoeficientes? O estudo é classificado como descritivo e bibliográfico, e por meio de um questionário foram levantadas informações sobre práticas de gestão ambiental de uma amostra de 32 empresas brasileiras sediadas no município de Belo Horizonte-MG. De acordo com o preconizado na literatura sobre práticas que convergem à ecoeficiência, bem como um nível médio de atividade ambiental em 50%, constatou-se que as empresas que fizeram parte da amostra estão utilizando uma série de elementos que, em médio prazo devem levá-las a uma situação na qual ações responsáveis sob a ótica socioambiental se traduzirão também em resultados financeiros efetivos. Adicionalmente, a preocupação das empresas em ter um plano de gerenciamento de resíduos (72%) já é um indicativo de que estão convergindo para a ecoeficiência empresarial, já que conseguem acrescentar mais valor consumindo menos recursos ou gerando menos resíduos. São limitações deste estudo o número e a restrição geográfica da amostra.


Palavras-chave


Práticas de Gestão Ambiental; Ecoeficiência Empresarial; Soluções Sustentáveis; Gestão Ambiental; Avaliação do Ciclo de Vida.

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14001:sistemas de gestão ambiental. 2.ed. Rio de Janeiro: ABNT, 2004

Alam, J. (2007). Financial disclosure in developing countries with special reference to Bangladesh. Ph.D Dissertation – University of Ghent, Bélgica, Dezembro de 2007. Retrieved from: . Acesso em set. 2011.

Alves, J. E. D. (2010). A Terra no limite. Revista VEJA – Edição Especial Sustentabilidade, 2.196, 24-27. São Paulo.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2 ed. São Paulo: Saraiva.

Barla, P. (2007). ISO 14001 certification and environmental performance in Quebec’s pulp and paper industry. Journal of Environmental Economics and Management. 53, 291-306.

Beuren, I. M. (organizadora e colaboradora) (2008). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade – teoria e prática. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Borçato, D. M.; Yamada, E.; & Pereira, A. C. (2011). Uma abordagem sobre a prática de auditoria ambiental nas empresas listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial – ISE/BOVESPA entre 2005 e 2010. In: II CSEAR Conference South América. A sustentabilidade em discussão. São Paulo: Ribeirão Preto.

Brady, K.; Henson, P.; & Fava, J. A. (1999). Sustainability, eco-efficiency, life-cycle management, and business strategy. Environmental Quality Management, Vol. 8, Issue 3, pages 33–41, Spring 1999.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado. Retrieved from: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso em: 13 mar. 2011.

BRASIL. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2010

______. (2010). Lei 12.305. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília. Retrieved from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm. Acesso em 13 mar. 2011.

Bsi Brasil, The British Standards Institution. O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um sistema de gestão ambiental. Retrieved from: http://www.bsibrasil.com.br/ documentos/What_is_14KBR.pdf. Acesso em mar. 2012.

Charoux, O. M. G. (2006). Metodologia: processo de produção, registro e relato do conhecimento. 3ª ed. São Paulo: DVS.

Conama. (1986). Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 001. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para avaliação de impacto ambiental. Brasília.

______. (1997). Resolução nº 237. Dispõe sobre licenciamento ambiental; competência da União, Estados e Municípios; listagem de atividades sujeitas ao licenciamento; Estudos Ambientais, Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental. Brasília.

Fiemg. (2011). Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais. Cadastro Industrial. Retrieved from: http://www.fiemg.com.br/Cadastro_Industrial_MG/Anonimo/Abrangencia_lst.aspx. Acesso em: mai. 2011.

Forrest, C. J. (2011). Why you need good environmental community relations: tales from beyond the fence line. Environmental Quality Management, Vol. 20, Issue 4, pages 1–13, Summer 2011.

Ghose, A. (2006). Information disclosure and regulatory compliance: economic issues and research directions. Social Science Research Network. Retrieved from: . Acesso em mar. 2012.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas.

Gray, R.; & Bebbington, J. (2001). Accounting for the environmental. 2 ed. Londres: Sage.

Hansen, D. R.; & Mowen, M. M. (2001). Gestão de custos. Trad. Robert Brian Taylor. 1. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Hicks, C.; & Dietmar, R. (2007). Improving cleaner production through the application of environmental management tools in China. Journal of Cleaner Production 15, 395-408.

Hoffrén, J.; & Apajalahti, E.-L. (2009). Emergent eco-efficiency paradigm in corporate environment management. Sustainable Development, 17, 233-243.

Keenan, C.; & Kashmanian, R. M. (2012). Benchmarking corporate environmental compliance performance: a practical approach. Environmental Quality Management. Vol. 21, Issue 3, pages 57–68, Spring 2012.

Milani Filho, M. A. F. (2008). Responsabilidade social e investimento social privado : entre o discurso e a evidenciação. Revista Contabilidade e Finanças. 19(47), 89-101. USP : São Paulo, mai/ago 2008.

Moor, P.; & Beelde, I. (2005). Environmental auditing and the role of the accountacy profession: a literature review. Environmental Management, 36(2), 205-219.

Pongrácz, E. (2009). Through waste prevention towards corporate sustainability: analysis of the concept of waste and review of the attitudes towards waste prevention. Sustainable Development. 17, 92-101, 2009.

Seiffert, M. E. B. (2009). Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. São Paulo: Atlas.

______. (2006). ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental: implantação objetiva e econômica. 2 ed. São Paulo: Atlas.

Senai-RS. (2003). Questões ambientais e produção mais limpa. Porto Alegre, UNIDO, UNEP, Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI. 126 p. il. (Série Manuais de Produção Mais Limpa).

Sisinno, C. L. S.; & Moreira, J. C. (2005). Ecoeficiência: um instrumento para redução da geração de resíduos e desperdícios em estabelecimentos de saúde. Caderno de Saúde Pública, 21(6), 1893-1900, nov./dez.

Tinoco, J. E. P.; & Kraemer, M. E. P. (2008). Contabilidade e gestão ambiental. 2 ed. Atlas: São Paulo.

Thorn, M. J.; Kraus, J. L.; & Parker, D. R. (2011). Life-cycle as a sustainability management tool: strengths, weaknesses, and other consideration. Environmental Management Quality. Vol. 20, Issue 3, pages 1–10, Spring 2011.

Vellani, C. L.; & Ribeiro, M. de S. (2009). Sistema contábil para gestão da ecoeficiência empresarial. Revista Contabilidade & Finanças, USP. 20(49), 25-43, jan/abr. São Paulo.

WBCSD (World Business Council for Sustainable Development). (1996).Eco-efficient leadership for improved economic and environmental performance. Conches: Geneva. Retrieved from: http://oldwww.wbcsd.org/DocRoot/DlFMcUZj32ZOMj5xNMXq/eeleadership.pdf. Acesso em março de 2012.

______. (2000a). Eco-efficiency: creating more value with less impact. Conches: Geneva. Retrieved from: http://www.wbcsd.org/web/ publications/eco_efficiency_creating_more_value.pdf. Acesso em março de 2012.

______. (2000b). Measuring eco-efficiency: a guide to reporting company performance. Conches: Geneva, Switzerland. Retrieved from: http://www.bcsd.org.tw/sites/default/files/node/domain_tool/110.file.128.pdf. Acesso em março de 2012.

Wursthorn, S.; Poganietz, W.-R.; & Schebek, L. (2011). Economic–environmental monitoring indicators for European countries: a disaggregated sector-based approach for monitoring eco-efficiency. Ecological Economics, 70, 487-496.

Zhongfu, Y.; Jianhui, J.; & Pinglin, H. (2011). The Study on the correlation between environmental information disclosure and economic performance – with empirical data from the manufacturing industries at Shanghai Stock Exchange in China. Energy Procedia, 5, 1218–1224.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000