O Desenvolvimento da Pesquisa Científica Envolvendo Sustentabilidade no Brasil: Evolução e Estruturação do Campo na Área de Administração

Carlos Eduardo de Lima, Érik Álvaro Fernandes, Saulo Fabiano Amâncio-Vieira

Resumo


O presente artigo visa descrever a evolução histórica do campo de pesquisa na área de Administração e sustentabilidade. Os procedimentos utilizados para tal investigação podem ser classificados como exploratório, descritivo e quantitativo e os dados aqui apresentados foram extraídos de periódicos B1 e A2. Já a análise foi complementada com técnicas bibliométricas e sociométricas. Desse modo, foi possível verificar uma evolução da inserção do tema sustentabilidade em artigos publicados entre 2000 e 2014. Além disso, também foi possível evidenciar os principais centros difusores de pesquisa e a rede de relacionamentos que serve de suporte ao intercâmbio científico entre pesquisadores e instituições. Por meio da lei de Zipf, pode-se explicitar os principais temas abordados, as dimensões da sustentabilidade e as teorias organizacionais utilizadas nos artigos em cada quinquênio. Além disso, foi possível perceber que as relações têm se intensificado a ponto de sugerir a formação de um campo, apontando para a possibilidade de consolidação do conhecimento nacional sobre o tema sustentabilidade na área de Administração.


Palavras-chave


Sustentabilidade, Administração, Campo organizacional, Comunicação científica, Brasil.

Referências


Barkemeyer, R., Holt, D., Preuss, L., & Tsang, L. (2014). What Happened to the “Development” in Sustainable Development? Business Guidelines Two Decades after Brundtland. Sustainable Development, 22 (2), 15-32.

Borgatti, S. P., Everett, M. G. & Freeman, L. (2002). C. Ucinet 6 for Windows: software for Social Network Analysis. Harvard: Analytic Technologies.

Carson, R. (1962). Silent Spring. New York: Houghton Mifflin Company.

CMMAD, Comissão Mundial Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso futuro comum, Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Collins, H. M. (2001).Tacit knowledge, trust and the Q of sapphire. Social Studies of Science, 31, 71-85.

Dimaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48, 147-160.

Dimaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). Introduction. In: Powell, W. W.; Dimaggio, P. J. The New Institutionalism in Organizational Analysis. Chicago: University of Chicago Press.

Dovers, S. R. Sustainability: Demands on Policy. (1996). Journal of Public Policy, 16 (3), 303-318.

Dyllick, T., & Hockerts, K. (2002). Beyond the Business Case for Corporate Sustainability. Business Strategy and the Environment, 11 (2), 130-141.

Ehrlich, P.R. (1968). The population bomb. Cutchoghe: Buccaneer Books.

Elkington, J. (2011). Sustentabilidade: Canibais com garfo e faca. Mbooks.

Figueiró, P. S., Raufflet, E. (2015). Sustainability in Higher Education: A systematic review with focus on management education. Journal of Cleaner Production, 106, 1-12.

Foladori, G. (2001). Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, São Paulo: Impressa Oficial.

Garvey, W. D. (1979). Communication: the essence of Science. Facilitating information exchange among librarians, scientists, engineers and student. London: Pergamon.

Guarido-Filho, E. R., Machado-da-Silva, C. L., & Gonçalves, S. A. (2010). Organizational Institutionalism in the Academic Field in Brazil: social dynamics and networks. Revista de Administração Contemporânea, 6 (4), 149-172.

Hardin, G. (1968). The tragedy of the commons. Science,1243-1248.

Hart, S. L., & Milstein, M. B. (2004). Criando Valor Sustentável. Tradução de Pedro F. Bendassolli. RAE Executivo, São Paulo, 3 (2). 65-79.

James, P. (2015). Urban Sustainability in Theory and Practice: circles of sustainability. London: Routledge.

Leff, E. (2010). Discursos sustentáveis. São Paulo, Cortez.

Lélé, S. M. (1991). Sustainable Development: A Critical Review. World Development, 10 (6), 607-621.

Machado-Júnior, C., Souza, M. T. S., & Parisotto, I. R. S. (2014). Institucionalização do Conhecimento em Sustentabilidade Ambiental pelos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração. Revista de Administração Contemporânea,18 (6), 854-873.

Machado-da-Silva, C. L., Guarido-Filho, E. R., & Rossoni, L. (2010). Campos Organizacionais: Seis Diferentes Leituras e a Perspectiva da Estruturação. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, 109-147.

Munck, L. (2013). Gestão da Sustentabilidade nas organizações: um novo agir frente à lógica das competências. São Paulo: Cengage Learning.

Raufflet, M. (2013). Integrating Sustainability in Management Education. Humanities, 2 (4), 439-448.

Redclift, M. R. (2005). Sustainable development (1987-2005) – an oxymoron comes of age. Sustainable Development, 13, 212-227.

Ribeiro, H. C. M., Correa, R., & Souza, M. T. S. (2014). Marketing verde: uma análise bibliométrica e sociométrica dos últimos 20 anos. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 298-323.

Robinson, J. (2004). Squaring the circle? Some thoughts on the idea of sustainable development. Ecological Economics, 48 (4), 369-384.

Sachs, I. (2002). Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Schnaiberg, A. (1997). A Sustainable Development and the Treadmill of Production. In: Barker, S. (Ed.). The Politics of Sustainable Development: theory, policy and practice within the European Union. London & New York: Routledge Press.

Scott, W. R. (2014). Institutions and Organizations: Ideas, Interests, and Identities. London: Sage.

Seghezzo, L. (2009). The five dimensions of sustainability. Environmental Politics, 18 (4), 539-556.

Sehnem, S., Oliveira, M. de A. S., Ferreira, E., & Rossetto, A. M. (2012). Gestão e estratégia ambiental: um estudo bibliométrico sobre o interesse do tema nos periódicos acadêmicos brasileiros. Revista Eletrônica de Administração, 18 (2), 468-493.

Souza, M. T. S., & Ribeiro, H. M. (2013). Sustentabilidade Ambiental: uma meta-análise da produção brasileira em Periódicos de Administração. Revista de Administração Contemporânea, 17 (3), 368-396.

Souza, M. T.S., Machado-Júnior, C., Parisotto, I. R. S., & Silva, H. H. M. (2013) Estudo bibliométrico de teses e dissertações em administração na dimensão ambiental da sustentabilidade. Revista Eletrônica de Administração,19 (3), 541-568.

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webmetria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, 3 (2), 152-162.

Vieira, M. M. F., & Carvalho, C. A. (2003). Sobre Organizações, Instituições e Poder no Brasil. In: Vieira, M. M. F., & Carvalho, C. A. Organizações, Instituições e Poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV

Wordcloud. (2017). Jason Davies. Recuperado em 29 de janeiro, 2017, de https://www.jasondavies.com/wordcloud/#%2F%2Fwww.jasondavies.com%2Fwordcloud%2Fabout%2F

Ziman, J. M. (1981). A força do conhecimento: a dimensão científica da sociedade. Belo Horizonte: Itatiaia.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000