Gestão da Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos no Campus Pampulha da UFMG: Desafios e Impactos Sociais

Eliane Aparecida Ferreira Marques, Maria Celeste Reis Lobo Vasconcelos, Eloisa Helena Rodrigues Guimarães, Flávio Henrique Ferreira Barbosa

Resumo


A coleta seletiva de resíduos sólidos consiste na separação de materiais recicláveis na fonte geradora e o devido encaminhamento para reciclagem. Esta ação busca promover a educação ambiental, gera trabalho e renda e apresenta como consequência o hábito da separação do lixo para seu devido aproveitamento, contribuindo para a sustentabilidade urbana. Este trabalho teve como objetivo identificar os desafios à implantação e gestão da coleta seletiva no Campus da Pampulha da UFMG e seus impactos sociais. A pesquisa foi caracterizada como um estudo de caso descritivo. Foram utilizadas as abordagens quantitativa e qualitativa. Buscou-se analisar a percepção dos gestores de resíduos das várias unidades da UFMG, comparando os resultados obtidos com as experiências de outras universidades. Também foi investigada a participação social na coleta seletiva na UFMG. Os resultados sinalizaram a necessidade de investimentos em infraestrutura, a institucionalização do processo e a promoção contínua de campanhas de educação ambiental, buscando o envolvimento das pessoas no programa. Foi considerada importante a constituição das associações de catadores de materiais recicláveis para a valorização da atividade dos catadores.

Palavras-chave


Gestão Ambiental; Coleta Seletiva; Resíduos Sólidos; Educação Ambiental; Impacto Social.

Referências


Abralatas (2013). Reciclagem bate novo recorde e valoriza atividade econômica. Revista da Lata, 2013, 26-27, 2013. Recuperado em 15 de fevereiro de 2014, de http:// abralatas.org.br/wp-content/uploads/2014/06/RevistaDaLata_ed7.pdf.

Associação Brasileira de Empresa de Limpeza (2012). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. ABRELPE. Recuperado em 03 de março de 2014, de http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2012.pdf.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (2004). NBR 10.004: resíduos sólidos – classificação. Rio de Janeiro: ABNT.

Besserman, Sérgio. (2005) Indicadores. In André Trigueiro (Coord.). Meio ambiente no Século XXI. (pp. 322-331). Campinas: Autores Associados.

Bringuenti, Jacqueline Rogéria. (2004). Coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos: aspectos operacionais e da participação da população. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública.

Bringuenti, Jacqueline Rogéria. (2011, outubro/dezembro). Participação social em programas de coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos. Engenharia Sanitária e Ambiental, 16(4),421-430.

Calderoni, Sabetai. (1999). Os bilhões perdidos no lixo. (3. ed.). São Paulo: Humanitas.

Campani, D. B., Peralba, M. C. R., Schmidt, V., Loguercio, A. P., Winckler, M. M., Trein, M. R., Oliveira, G. V., Bazzo, A., Santos, M. A. & Heitling, R. A. K. (2010) Gestão ambiental de resíduos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFGRS. In S. M. De Conto. Gestão de resíduos em universidades. (Cap. 3, pp. 87-114). Caxias do Sul: Educs.

Collis, J. & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. (2. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Compromisso Empresarial para Reciclagem (2014). Guia da coleta seletiva de lixo. (2. ed.) São Paulo: CEMPRE.

Crespo, Samyra. (2005) Opinião pública. In André Trigueiro (Coord.). Meio ambiente no Século XXI. (pp. 58-73). Campinas: Autores Associados.

Curi, Denise. (2011). Gestão ambiental. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

De Conto, S. M. Brustolin, I., Pessin, N., Schneider, V. E., & Beal, L. L. (2010). Gestão de resíduos na Universidade de Caxias do Sul: um processo de construção das atividades de ensino, pesquisa e de extensão com responsabilidade socioambiental. In: S. M. De Conto. Gestão de resíduos em universidades. (Cap. 2, p. 33-59). Caxias do Sul: EDUCS.

Decreto no 5.940, de 25 de Outubro de 2006 (2006). Institui a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis, e dá outras providências. Recuperado em 22 de maio de 2013, de http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5940.htm.

Filardi, F.; Stradiotto, E.; Binotto, E. Os Catadores de Resíduos e a

Responsabilidade Socioambiental: A Percepção Sobre Seu Lugar Social.

Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 3, p.

-35, set./dez. 2011.

Gomes, L. P. (2010). A gestão de resíduos na Universidade do Vale dos Sinos (Unisinos) atendendo aos requisitos da ISO 14001:2004. In: S. M. De Conto. Gestão de resíduos em universidades. (Cap. 3, p. 61-86). Caxias do Sul: Educs.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2008). Plano Nacional de Saneamento Básico. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 15 de fevereiro de 2014, de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pnsb2008/ PNSB_2008.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo Demográfico de 2010. Rio de Janeiro: IBGE.

Juliatto, Dante Luiz; Calvo, Milena Juarez; Cardoso, Thaianna Elpídio (2011). Gestão integrada de resíduos sólidos para instituições públicas de ensino superior. Revista Gestão Universitária na América Latina – GUAL. V.4, nº 3, set/dez. Disponível em: .

Collis, Jill.; Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. (2. ed.). São Paulo: Bookman. Cortar. Está repetido.

Kipper, L. M., Mählmann, C. M., Rodriguez, A. L., Lopez, D. A. R., Weiss, F., Kist, L. T. & Machado, E. L. (2010). Sistema de gestão ambiental com ênfase em processos circulares: o estudo de caso da Unisc. In: S. M. De Conto. Gestão de resíduos em universidades. (Cap. 3, pp. 163-184). Caxias do Sul: Educs.

Lei no 12.305, de 12 de agosto de 2010 (2010). Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Recuperado em 22 de maio de 2013, de http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm.

Magalhães, B. J. (2013, Janeiro/Junho). Catadores de materiais recicláveis, consumo e valoração social. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, 20(1), 249-267.

Martins, A. F. & Silveira, D. D. (2010). Gestão de resíduos em universidades: a experiência da Universidade Federal de Santa Maria. In: De Conto. Gestão de resíduos em universidades. (Cap. 3, p. 143-162). Caxias do Sul: Educs.

Ministério do Meio Ambiente (2013). Manejo de resíduos sólidos urbanos: destaques da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Recuperado em 09 de setembro de 2013, de http://www. mma.gov.br/estruturas/srhu_urbano/_arquivos/folder_pnrs_125.pdf.

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão (2010). Instrução Normativa 01, de 19 de janeiro de 2010. Dispõe sobre os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, contratação de serviços ou obras pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dá outras providências. Recuperado em 09 de setembro de 2013, de http://www.comprasnet.gov.br/legislacao/legislacao Detalhe.asp?ctdCod=295

Nações Unidas (2013). RIO +20: Conferência das Nações Unidas Sobre O Desenvolvimento Sustentável. Recuperado em 12 de dezembro de 2013, de http://www.rio20.gov.br.

Novaes, W. (2005). Agenda 21. In André Trigueiro. Meio ambiente no Século XXI. (pp. 90-105). Campinas: Autores Associados.

Pinto-Coelho, Ricardo Motta. (2009) Reciclagem e desenvolvimento sustentável no Brasil. Belo Horizonte, Recóleo Coleta e Reciclagem de Óleos.

Ribeiro, Daniel Véras & Morelli, Márcio Raymundo. (2009). Resíduos sólidos problema ou oportunidade?. Rio de Janeiro: Interciência.

Ribeiro, J. C. J. (2006). Indicadores ambientais: avaliando a política de meio ambiente no Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Semad.

Santos, Jacqueline Sarmento dos. (2012). Gerenciamento de resíduos sólidos como instrumento de gestão ambiental na Universidade Federal do Pará. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará, Núcleo de Meio Ambiente.

Tauchen, Joel; Brandli, Luciana Londero. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gest. Prod., São Carlos , v. 13, n. 3, p. 503-515, Dec. 2006 Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/gp/v13n3/11.

Teixeira, E. N., Lacerda, J. G. A., Coelho, F. A. S., Ponezi, A.N., Gandara, A. L. N., Andrade, C. F. S., Bocayuva, C., Tomaz, E., Carneiro, E. M., Causo Neto, J. P., Souza, M. G. M., Micaroni, R. C. C. M. & Coelho, R. F. (2010). Modelo consolidado de gestão de resíduos e sua contribuição para a gestão ambiental na Unicamp. In De Conto. Gestão de resíduos em universidades. (Cap. 3, p. 115-141). Caxias do Sul: Educs, 2010.

Universidade Federal de Minas Gerais (2013). Plano de desenvolvimento institucional UFMG 2013-2017. Belo Horizonte: UFMG.

Universidade Federal de Minas Gerais. (2014). Relatório de gestão UFMG 2013, Belo Horizonte: UFMG.

Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em: 21 agosto 2017.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000