Uso dos Indicadores Essenciais da GRI nos Relatórios das Empresas dos Setores de Petróleo, Gás e Biocombustível e de Utilidade Pública no Brasil

Silvana karina de Melo Travassos, José Isidio de Freitas Costa, Welton Evaristo da Silva, Mônica de Lima Araújo

Resumo


O objetivo deste artigo é verificar o grau de aderência plena e de evidenciação efetiva das empresas aos indicadores de relatórios de sustentabilidade elaborados pela versão G3 das diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI), constituído por um conjunto de indicadores de ordem econômica, social e ambiental, com ênfase na transparência, qualidade e confiabilidade. Foram estudados os setores de petróleo, gás e biocombustível e de utilidade pública no Brasil. Este artigo desenvolve uma metodologia multicaso com abordagem qualitativa e finalidade exploratória. Optou-se pela utilização de uma amostra não probabilística das empresas brasileiras. Os relatórios de sustentabilidade foram obtidos na página institucional de cada empresa estudada a fim de verificar se continham no sumário o chamado índice remissivo dos indicadores GRI. Verificou-se que algumas empresas brasileiras vêm aderindo à utilização dos indicadores propostos pela GRI em seus relatórios de sustentabilidade. Foi constatado que o fato de as empresas fazerem parte de um mesmo setor econômico não faz com que estejam em um nível semelhante de aderência aos indicadores. Ainda se observa que, apesar do esforço realizado pela GRI em desenvolver um modelo de qualidade, mais consistente e completo de relatório de sustentabilidade, a sua aplicabilidade nos setores de petróleo, gás e biocombustível e utilidade pública brasileira ainda precisa ser aprimorada.


Palavras-chave


Global Reporting Initiative (GRI); Indicadores Essenciais; Relatório de Sustentabilidade

Referências


Alves, M. (2007). Como escrever tese e monografias. 2ª. ed.. Rio de Janeiro: Elsevier.

Andrade, M. M. (2009). Introdução à metodologia do trabalho científico. 9ª ed.. São Paulo: Atlas.

Bayley, P. E.,& Soya, P. A. (1997). Making environmental accounting work for your companyIn Philip A. Marcus & John T. Willig (Eds.), Moving ahead with ISO 14000: improving environmental management and advancing sustainable development (pp. 193-210). Nova Iorque: John Wiley& Sons, Inc.

Bergamini Júnior, S. (2000). Contabilidade Ambiental. Revista Pensar Contábil, 3(8), 17-23. Rio de Janeiro.

Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuro de São Paulo. (2013a). Classificação Setorial das Empresas Listadas na BM&FBOVESPA. Retrieved from http://www.bmfbovespa.com.br/Cias-Listadas/consultas/classificacao-setorial.aspx?idioma=pt-br. Acesso em: 13 abr. 2013.

Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuro de São Paulo. (2013b). Empresas listadas. Retrievedfromhttp://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-listadas/BuscaEmpresaListada.aspx?Idioma=pt-br. Acesso em: 13 abr. 2013.

Carvalho, F. M. (2007). Análise da utilização dos indicadores essenciais da Global Reporting Initiative nos relatórios sociais em empresas latino-americanas (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Castro, F. A. R., Siqueira, J. R. M., & Macedo, M. A. S. (2009). Indicadores ambientais essenciais: uma análise da sua utilização nos relatórios de sustentabilidade das empresas do setor de energia elétrica sul-americano, elaborados pela versão G3 da Global Reporting Initiative. In South American Congress on Social and Environmental Accounting Research (CSEAR).Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Cervo, A. L., & Bervian, A.(1983). Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. 3ª ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Conselho Federal de Contabilidade. (2010). Resolução CFC 1.282, 28 de maio de 2010. Atualiza e consolida dispositivosda Resolução CFC n. 750/09, que dispõe sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade. Retrieved from http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2010/001282.

Deegan, C., Rankin, M., & Tobin, J. (2002). An examination of the corporate social and environmental disclosures of BHP from 1983-1997: a test of legitimacy theory. Accounting Auditing & Accountability Journal,15 (3), 312-343. Bradford.

Dias, L. N. S. (2006). Análise da utilização dos indicadores do Global Reporting Initiative nos relatórios sociais em empresas brasileiras (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Dias, L. N. S., & Siqueira, J. R. M. (2005). Os indicadores ambientais no balanço social da Petrobras. In Anais do encontro nacional sobre gestão empresarial e meio ambiente. Rio de Janeiro.

Gasparino, M. F. (2006). Análise de relatórios de sustentabilidade, com ênfase na GRI: comparação entre empresas do setor de papel e celulose dos Estados Unidos e Brasil. In Anais do Encontro do ANPAD. [CD-ROM]. Salvador.

Gee, C., & Slater, A. A. (2005). Developing next-generation GRI guidelines. Corporate Responsibility Management, 1 (5), 30-33. Londres, abr./ maio.

Gil, A. C. (1996). Como elaborar projetos de pesquisa. 3ª ed. São Paulo: Atlas.

Global Reporting Initiative.(2006a).Sustainability reporting guidelines.Versão 3.0. Retrievedfromhttps://www.globalreporting.org/resourcelibrary/G3-Sustainability-Reporting-Guidelines.pdf. Acesso em: 23 abr. 2013.

______.(2006b). Níveis de aplicação da GRI. Retrievedfromhttp://www.globalreporting.org/NR/rdonlyres/0FF12693-CED7-4D07-847A-106BC7D4080C/0/ApplicationLevelsPRT.pdf.Acesso em: 12 abr. 2013.

Hackston, D., & Milne, M. J. (1996).Some determinants of social and environmental disclosures in New Zealand companies.Accounting, Auditing & Accountability Journal, 9 (1), 77. Bradford.

Instituto Ethos Empresas e Responsabilidade Social.(2007a).Global Reporting Initiative.Retrieved from http://www.ethos.org.br/DesktopDefault.aspx?TabID=4200&Alias=Ethos&Lang=pt-BR. Acesso em: 16 abr. 2013.

______. (2007c). Introdução ao Balanço Social. Retrievedfromhttp://www.ethos.org.br/docs/conceitos_praticas/guia_relatorio/default.htm. Acesso em: 17 abr. 2013.

Lucena, S. L., & Travassos, S. K. M. (2009). Análise comparativa dos relatórios de sustentabilidade do Global Reporting Initiative com ênfase nas empresas de capital aberto com atuação no Brasil. Revista Eletrônica de Ciências, 2 (1 e 2), 69-82.

Mattar, J. (2008). Metodologia científica na era da informática. 3ª ed. São Paulo: Saraiva.

Moneva, J. M., Archel, P., & Correa; C. (2006).GRI and the camouflaging of corporate unsustainability .Accounting Forum, 30 (2), 121 -137. Florida, EUA.

Nascimento, V. M., Pereira, V. L. D. V., Silva, S. L., &Bellen, H. M. V. (2011). Análise da utilização dos indicadores essenciais da versão G3, do GRI, dos relatórios das empresas do setor bancário brasileiro. In Anais do Congresso USP de Controladoria de Contabilidade. São Paulo.

Pereira, D. B., & Silva, R. N. S. (2008). Análise da utilização dos indicadores essenciais da GRI nos relatórios de sustentabilidade das empresas brasileiras. Sociedade, contabilidade e gestão, 3 (2), 76-87. Rio de Janeiro.

Silva, A. C. R. S. (2003). Metodologia da pesquisa aplicada á contabilidade: orientações de estudos, projetos, relatórios, monografias, dissertações, teses. São Paulo: Atlas.

Siqueira, J. R. M. (2003). Mensuração e avaliação do impacto social dasorganizações: uma análise crítica dos balanços sociais e propostas para um novo modelo (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Siqueira, J. R. M., & Vidal, M. C. R. (2003). Balanços sociais brasileiros: uma análise de seu estágio atual. In Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo. Retrieved from http://www.eac.fea.usp.br/congressousp/congresso3/an_resumo.asp?cod_trabalho=166.Acesso em: 20 abr. 2013.

Travassos, S. K. M. (2012). Valoração econômica de dano ambiental: visão econômica contábil para o caso do Estaleiro Atlântico Sul (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco.

Travassos, S. K, M., Costa, J. I. F.,& Santos, J. (2012). Valoração econômica de dano ambiental: visão econômica contábil para o caso do Estaleiro Atlântico Sul. In Anais do Encontro do ANPAD, Rio de Janeiro.

Travassos, S. K. M., & Dias, K. J. F. (2009). Contabilidade como ferramenta no processo de gestão ambiental. Revista Tema, 8(12), 1-13. Campina Grande.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação – o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. São Paulo: Atlas.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Vaz, T. (2006). Comunicação com Consistência. Guia Exame 2006, 26-27.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional