Plano de Mobilidade Urbana do Município de Campina Grande-PB: Uma Análise à Luz da Sustentabilidade Urbana

Maria de Fatima Martins, Ana Cecilia Feitosa Vasconcelos, Maria Clara Torquato Salles

Resumo


Os problemas relacionados à mobilidade nas cidades afetam diretamente a qualidade de vida das populações, o planejamento das cidades e, consequentemente, seu desenvolvimento. É a partir desse entendimento que se reconhece a importância de se discutir ações relativas à mobilidade urbana embasadas em princípios da sustentabilidade como forma de favorecer um melhor planejamento e gestão urbana. Nesta perspectiva, o presente estudo tem como objetivo analisar o Plano de Mobilidade Urbana do município de Campina Grande – PB (PlanMob-CG), à luz da sustentabilidade urbana, tomando como base as dimensões, temas e indicadores propostos por Martins e Cândido (2015). Este estudo caracteriza-se como sendo de abordagem qualitativa, caracterizado como exploratório e descritivo e conduzido sob a forma de estudo de caso. Os resultados evidenciaram que os aspectos da sustentabilidade, em sua grande maioria, não foram contemplados no plano de mobilidade do município, evidenciando as principais fragilidades do PlanMob - CG. É importante ressaltar que o presente estudo se limitou em analisar apenas o plano de mobilidade (PlanMob-CG), não verificando sua implementação, uma vez que o mesmo foi elaborado em 2015 e encontra-se em processo inicial de implantação de ações.

Palavras-chave


Mobilidade; Sustentabilidade; Urbano.

Referências


ACSELRAD, H. (1999). Discursos da sustentabilidade urbana. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Campinas, n.1, p.79-90, maio/nov.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 22 set. 2015.

______. (2001). Lei n° 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os Arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Estatuto da Cidade. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm. Acesso em: 22 set. 2015.

______. (2002). Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional, Agenda 21 Brasileira: Ações prioritárias. Brasília: MMA. Disponível em: http: //www.mma.gov.br/port/se/agen21/publicac..htm. Acesso em: 22 set. 2015

______. (2005). Ministério das Cidades. Instituto de estudos, formação e assessoria em políticas sociais - PÓLIS. Mobilidade Urbana é desenvolvimento. Disponível em: http://www.polis.org.br/uploads/922/922.pdf. Acesso em: 26 set. 2015.

______. (2012). Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12587.htm. Acesso em: 22 set. 2015.

CANEPA, C. (2007). Cidades Sustentáveis: o município como lócus da sustentabilidade. São Paulo: RCS Editora.

CASTELLS, M. (2000). A questão urbana. São Paulo: Paz e Terra.

CMMAD. (1988). Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Editora da FGV, p. 46.

GIL, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 184p.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Sinopse do Censo Demográfico de 2010. Disponível em: www.ibge.gov.br/. Acesso em: 20 out. 2015.

IPEA (2011). Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. Comunicados do IPEA. Série Eixos do Desenvolvimento Brasileiro. Infraestrutura Social e Urbana no Brasil subsídios para uma agenda de pesquisa e formulação de políticas públicas: A mobilidade urbana no Brasil. nº 94. 35p.

JACOBS, J. (2009). Morte e Vida de Grandes Cidades. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

KLEYNHANS, H. A. (2001). The Mabopane-Centurion development corridor: a historical analysis of successes and constraints and proposals for improvement. Pretoria: University of Pretoria.

MARTINS, M. F.; CÂNDIDO, G. A. (2013). Analise da sustentabilidade urbana no contexto das cidades: proposição de critérios e indicadores. In: ENANPAD, 27., 2013, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

NETTO, V. M. (2014). Cidade & Sociedade: as tramas da prática e seus espaços. Porto Alegre: Sulina, 431p.

MARTINS, M. F. CÂNDIDO, G. A. (2015). Modelo de avaliação do nível de sustentabilidade urbana: proposta para as cidades brasileiras. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana (Brazilian Journal of Urban Management), 7(3) 397-410, set./dez.

CAMPINA GRANDE (2015). Lei Complementar nº004, de 08 de abril de 2015. Institui o plano diretor de mobilidade urbana do município de Campina Grande – PB, estabelece as diretrizes para o acompanhamento e o monitoramento de sua implementação, avaliação e revisão periódica e dá outras providências. Plano de Mobilidade Urbana de Campina Grande. PMCG - Prefeitura Municipal de Campina Grande Câmara Municipal. 48f.

____________, (2006). .Lei Complementar nº 003, de 09 de outubro de 2006. Promove a revisão do Plano Diretor do Município de Campina Grande. Prefeitura Municipal de Campina Grande (2006). Gabinete do Prefeito. Plano Diretor Municipal. 50f.

SILVA, F. N. (2013). Mobilidade urbana: os desafios do futuro. Cadernos Metrópole. São Paulo. v. 15, n. 30, p. 377-388. Jul / dez. Disponível em: http://www.cadernosmetropole.net/component/content/article/31/50-267. Acesso em: 26 set. 2015.

SILVEIRA, M. R.; COCCO, R. G. (2013). Transporte público, mobilidade e planejamento urbano: contradições essenciais. Estudos avançados. 27 (79).

WILHEIM, J. (2013). Mobilidade urbana: um desafio paulistano. Estudos avançados. v. 27. nº 79, 25p.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional