Vulnerabilidade às Ilhas de Calor no Município de São Paulo: Uma Abordagem para a Implantação de Medidas Mitigadoras na Gestão Urbana

Juliana Siqueira-Gay, Ana Paula Alves Dibo, Mariana Abrantes Giannotti

Resumo


Na prática do planejamento urbano e ambiental, especialmente no contexto de adaptação às mudanças ambientais, há demanda por estudos que integrem informações sociais, econômicas e ambientais da população e de sua exposição ao risco. Especialmente nos grandes centros urbanos, a impermeabilização e verticalização têm potencial de causar elevação da temperatura do ar local, desencadeando o fenômeno das ilhas de calor. Em consequência, outros efeitos decorrem desse fenômeno como problemas de saúde da população, poluição e alteração da circulação de ar. Nesse contexto, diante dos riscos e consequências das ilhas de calor urbanas, este artigo tem como objetivo analisar as áreas prioritárias para a implementação de medidas de mitigação aos efeitos do fenômeno de ilhas de calor urbano no município de São Paulo. Para tal, foi proposto um índice de avaliação de vulnerabilidade que considera as dimensões sociais e ambientais, relacionando a capacidade de adaptação, sensibilidade e exposição à ocorrência do fenômeno de ilhas de calor urbano. Além disso, foram identificadas as medidas de mitigação aos efeitos associados às ilhas de calor no âmbito do planejamento urbano estadual. As áreas centrais da cidade foram identificadas como críticas à exposição, e a periferia como crítica em relação à capacidade de adaptação e sensibilidade, e, portanto, são regiões prioritárias para a implementação das respectivas medidas de mitigação. Além disso, são elencadas algumas estratégias como implantação e conservação de espaço verdes, preservação de corpos d’água, alteração de design e forma urbana e uso de materiais com alta reflectância, as quais são parcialmente previstas no Plano Diretor Estratégico do município para mitigação do efeito das ilhas de calor urbano.

Palavras-chave


Ilhas de Calor Urbanas; Áreas Prioritárias; Índice de Vulnerabilidade; Medidas de Mitigação; Plano Diretor Estratégico.

Referências


Adger, W. N. (2006). Vulnerability. Global Environmental Change, 16(3), 268–281.

Aflaki, A., Mirnezhad, M., Ghaffarianhoseini, A., Ghaffarianhoseini, A., Omrany, H., Wang, Z.-H., & Akbari, H. (2016). Urban heat island mitigation strategies: A state-of-the-art review on Kuala Lumpur, Singapore and Hong Kong. Cities, 62, 131-145.

Akbari, H., & Kolokotsa, D. (2016). Three decades of urban heat islands and mitigation technologies research. Energy & Buildings, 133(1), 834-842.

Anselin, L. (1995). Local indicators of spatial association – LISA. Geographical Analysis, 27(2), 93-115.

Anselin, L., Syabri, I., & Kho, Y. (2006). GeoDa: An introduction to spatial data analysis. Geographical Analysis, 38(1), 5–22.

Barros, H. R., & Lombardo, M. A. (2016). A ilha de calor urbana e o uso e cobertura do solo em São Paulo-SP. Geousp - Espaço E Tempo, 20(1), 160–177.

Beccari, B. (2016). A Comparative Analysis of Disaster Risk, Vulnerability and Resilience Composite Indicators. PLoS Currents Disasters, 14(1).

Brasil. Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências.

Carbone, A. S., Coutinho, S. M. V., Tomerus, S. & Philippi Junior, A. (2015). Gestão de áreas verdes no município de São Paulo: Ganhos e Limites. Ambiente & Sociedade, (4), 201-220.

De Sherbinin, A., Chai-Onn, T., Jaiteh, M., Mara, V., Pistolesi, L., Schnarr, E., & Trzaska, S. (2015). Data Integration for Climate Vulnerability Mapping in West Africa. ISPRS International Journal of Geo-Information, 4(4), 2561-2582.

Dhalluin, A., & Bozonnet, E. (2015). Urban heat islands and sensitive building design - A study in some French cities’ context. Sustainable Cities and Society, 19, 292–299.

Druck, S., Carvalho, M.S., Câmara, G., & Monteiro, A.V.M. (eds). (2004). Análise Espacial de Dados Geográficos. Brasília: EMBRAPA.

Eibe F., Hall, M. A., & Witten, I. H. (2016). The WEKA Workbench. In: Online Appendix for “Data Mining: Practical Machine Learning Tools and Techniques”. 4 ed. Morgan Kaufmann.

Fernández, F. J., Alvarez-Vázquez, L. J., García-Chan, N., Martínez, A., & Vázquez-Méndez, M. E. (2015). Optimal location of green zones in metropolitan areas to control the urban heat island. Journal of Computational and Applied Mathematics, 289, 412–425.

Fernandez, M. A., Bucaram, S. J., & Renteria, W. (2015). Assessing local vulnerability to climate change in Ecuador. SpringerPlus, 4(1), 738.

Füssel, H. M., & Klein, R. J. T. (2006). Climate change vulnerability assessments: An evolution of conceptual thinking. Climatic Change, 75(3), 301–329.

Gago, E. J., Roldan, J., Pacheco-Torres, R., & Ordónez, J. (2013). The city and urban heat islands: A review of strategies to mitigate adverse effects. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 25, 749–758.

Gan, G., Ma, C., & Wu, J. (2007). Data Clustering: Theory, Algorithms, and Applications. ASASIAM Series on Statistics and Applied Probability. ASA-SIAM Series on Statistics and Applied Probability, SIAM, Philadelphia, ASA, Alexandria, VA.

Gartland, L. (2008). Heat islands: understanding and mitigating heat in urban areas. Earthscan: Nova York.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas.

Harlan, S. L., Declet-Barreto, J. H., Stefanov, W. L., & Petitti, D. B. (2013). Neighborhood effects on heat deaths: social and environmental predictors of vulnerability in Maricopa County, Arizona. Environmental health perspectives, 121(2), 197-204.

Hattis, D., Ogneva-Himmelberger, Y., & Ratick, S. (2012). The spatial variability of heat-related mortality in Massachusetts. Applied Geography, 33, 45-52.

Hung, L.-S., Wang, C., & Yarnal, B. (2016). Vulnerability of families and households to natural hazards: A case study of storm surge flooding in Sarasota County, Florida. Applied Geography, 76, 184–197.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). (2011). Base de informações do Censo Demográfico 2010: Resultados do Universo por setor censitário. Rio de Janeiro: IBGE.

Inostroza, L., Palme, M., & de la Barrera, F. (2016). A Heat Vulnerability Index: Spatial Patterns of Exposure, Sensitivity and Adaptive Capacity for Santiago de Chile. Plos One, 11(9).

IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change). (2014). Climate Change 2014: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Part B: Regional Aspects (Contribution of Working Group II to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change). Barros, V.R., C.B. Field, D.J. Dokken, M.D. Mastrandrea, K.J. Mach, T.E. Bilir, M. Chatterjee, K.L. Ebi, Y.O. Estrada, R.C. Genova, B. Girma, E.S. Kissel, A.N. Levy, S. MacCracken, P.R.

Mastrandrea, & L.L. White (Ed.) Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA.

Kleerekoper, L., Van Esch, M., & Salcedo, T. B. (2012). How to make a city climate-proof, addressing the urban heat island effect. Resources, Conservation and Recycling, 64, 30–38.

Kumar, P., Geneletti, D., & Nagendra, H. (2016). Spatial assessment of climate change vulnerability at city scale: A study in Bangalore, India. Land Use Policy, 58, 514–532.

Lombardo, M. A. (1985). Ilha de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: Editora Hucitec.

Mirzaei, P. A. (2015). Recent challenges in modeling of urban heat island. Sustainable Cities and Society, 19, 200–206.

Nobre, C. A., Young, A. F., Saldiva, P. H. N., Osini, J. A. M., Nobre, A. D., Ogura, A. Rodrigues, G. de O. (2011). Vulnerabilidades Das Megacidades Brasileiras às Mudanças Climáticas: Região Metropolitana de São Paulo - Relatório Final. Campinas: Unicamp.

O’Malley, C., Piroozfarb, P. A. E., Farr, E. R. P., & Gates, J. (2014). An investigation into minimizing urban heat island (UHI) effects: A UK perspective. Energy Procedia, 62, 72–80.

OECD (Organisation for Economic Co-operation and Development). (2008). Handbook on Constructing Composite Indicators: Methodology and User Guide. Methodology (Vol. 3). OECD.

Prefeitura de São Paulo. (2016). Geosampa. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 17.

Santamouris, M., Synnefa, A., & Karlessi, T. (2011). Using advanced cool materials in the urban built environment to mitigate heat islands and improve thermal comfort conditions. Solar Energy, 85(12), 3085–3102.

São Paulo. (2014). Lei no 16.050, de 31 de julho de 2014. Plano diretor estratégico do município de São Paulo.

São Paulo. (2005). Resolução n° 107/CADES/2005, de 27 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a aprovação da Minuta de Decreto que Regulamenta o Impacto de Vizinhança.

Siqueira-Gay, J., Giannotti, M. A., & Tomasiello, D. B. (2016). Accessibility and flood risk spatial indicators as measures of vulnerability. In: Proceedings of the XVII Brazilian Symposium of Geoinformatics. Campos do Jordão, São Paulo.

SVMA (Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente). (2016). SVMA debate formulação do Plano de Áreas Protegidas, Áreas Verdes e Espaços Livres. Disponível em:. Acesso em: 27 jun. 2017.

Tobler, W. R. (1970). A Computer Movie Simulating Urban Growth in the Detroit Region. Economic Geography, 46, 234–240.

Wang, B., Pan, S. Y., Ke, R. Y., Wang, K., & Wei, Y. M. (2014). An overview of climate change vulnerability: A bibliometric analysis based on Web of Science database. Natural Hazards, 74(3), 1649–1666.

Weis, S. W. M., Agostini, V. N., Roth, L. M., Gilmer, B., Schill, S. R., Knowles, J. E., & Blyther, R. (2016). Assessing vulnerability: an integrated approach for mapping adaptive capacity, sensitivity, and exposure. Climatic Change, 136(3–4), 615–629.

Wolf, T., & McGregor, G. (2013). The development of a heat wave vulnerability index for London, United Kingdom. Weather and Climate Extremes. 1, 59-68.

Yan, Z.-W., Wang, J., Xia, J.-J., & Feng, J.M. (2016). Review of recent studies of the climatic effects of urbanization in China. Advances in Climate Change Research. 7(3), 154-168.

Zaki, M. J., & Meira, M. J. (2013). Data Mining and Analysis: Fundamental Concepts and Algorithms. Cambridge University Press.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional