Avaliação do Efeito das Estratégias de Gestão Ambiental Sobre o Desempenho Financeiro de Empresas Brasileiras

Gabriel Aguiar De Araújo, Marcos Cohen, Jorge Ferreira da Silva

Resumo


A partir das últimas décadas do século XX, as empresas passaram a ser pressionadas por novas demandas da sociedade para apresentar um comportamento mais consciente e sustentável. Adequando-se a esse novo paradigma, boa parte das médias e grandes empresas tem dirigido suas estratégias e ações para aspectos socioambientais, com a gestão ambiental como ferramenta imprescindível para norteá-las. O objetivo deste artigo é compreender as práticas ambientais adotadas por empresas brasileiras e verificar se elas influenciam seus desempenhos financeiros. Foram coletados dados da revista Análise Gestão Ambiental sobre as iniciativas ambientais das empresas e indicadores financeiros da revista Exame, BM&FBOVESPA e demonstrativos oficiais das empresas. Os dados foram tratados estatisticamente com o software SPSS 17.0. Inicialmente, a ferramenta two-step cluster analysis foi usada para identificar grupos de empresas praticando estratégias ambientais distintas. Em seguida, os indicadores financeiros dos grupos de empresas encontrados foram analisados por meio de análise multivariada de variância (MANOVA) e análise de variância (ANOVA) para verificar se havia diferenças entre o desempenho financeiro dos grupos. Os resultados desta análise, para uma amostra de 142 empresas, sugerem que as práticas de gestão ambiental podem ser classificadas em duas categorias distintas – reativas e proativas – e que não há diferenças significativas entre o desempenho financeiro desses grupos.


Palavras-chave


Gestão Ambiental, Estratégias Ambientais, Taxonomias, Desempenho Financeiro.

Referências


Abreu, M. C. S., Figueiredo, H. S. Jr, & Varvakis, G. (2002). Modelo de avaliação da estratégia ambiental: os perfis de conduta estratégica. READ Edição Especial 30 Gestão Ambiental e Competitividade na Empresa, 8 (6).

Abreu, M. C. S., Rados, G. J. V., & Figueiredo, H. S. Jr. (2004) As pressões ambientais da estrutura da indústria. RAE Eletrônica, 3 (2).

Alberton, A., & Costa, N. C. A. (2007). Meio ambiente e desempenho econômico-financeiro: benefícios dos sistemas de gestão ambiental (SGAs) e o impacto da ISO 14001 nas empresas brasileiras. RAC-Eletrônica, 1 (2), 153-171.

Aragón-Correa, J. A. (1998) Strategic proactivity and firm approach to the natural environment. Academy of Management Journal, 41 (5), 556-567.

Azapagic, A., & Perdan, S. (2000). Indicators of sustainable development for industry: a general framework. Institution of Chemical Engineers, 78, 243-261.

Azeredo, A. J., Souza, M. A., & Machado, D. G. (2009). Desempenho econômico-financeiro de indústrias calçadistas brasileiras: uma análise do período de 2000 a 2006. RCO – Revista de Contabilidade e Organizações, 3 (6), 117-142. FEARP/USP.

Barbieri, J. C. (2004). Gestão ambiental empresarial. São Paulo: Saraiva.

Bertagnolli, D. D. O., Ott, E., & Damacena, C. (2006). Estudo sobre a influência dos investimentos sociais e ambientais no desempenho econômico das empresas. In Anais do VI Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. FEA/USP. São Paulo.

Brealey, R. A., & Myers, S. C. (2000). Principles of corporate finance. 6a ed. Boston: The Irwin/ McGraw-Hill.

Callado, A. L. C., & Fensterseifer, J. E. (2010) mensurando a sustentabilidade empresarial a partir de uma perspectiva integradora: o Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). In Anais do XXXIV Encontro Nacional da ANPAD. Rio de Janeiro.

Campos, L. M. S. (2012). Environmental Management Systems (EMS) for small companies: a study in Southern Brazil. Journal of Cleaner Production, 32, 141-148.

Ceretta, P. S., Barba, F. G., Casarin, F., Kruel, M. & Milani, B. (2009). Desempenho financeiro e a questão dos investimentos sócio-ambientais. Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, 3 (3), 72-84.

Chen, L., Tang, O., & Feldmann, A. (no prelo). Applying GRI reports for the investigation of environmental management practices and company performance in Sweden, China and India. Journal of Cleaner Production.

Cohen, M. A, Feen, S. A., & Konar, S. (1997). Environmental and financial performance: are they related? Nashville: Vanderbilt University, Vanderbilt Center for Environmental Management Studies (VCEMS).

Corazza, R. I. (2003). Gestão ambiental e mudanças da estrutura organizacional. RAE Eletrônica, 2 (2), 1-23.

Cormier, D., Magnan, M., & Morard, B. (1993). The impact of corporate pollution on market valuation: some empirical evidence. Ecological Economics. 8 (2), 135-155.

Costa, L. G. T. A., Limeira, A. F. F., Gonçalves, H. M., & Carvalho, U. T. (2008). Análise econômico-financeira de empresas. 2a ed. Rio de Janeiro: FGV.

Curran, M. M. (2005). Assessing the rate of return of the adoption of corporate social responsibility initiatives (Tese de Doutorado). University of Edinburg.

Daily, B. F., & Huang, S. (2001) Achieving sustainability through attention to human resource factors in environmental management. International Journal of Operations & Production Management, 21 (12), 1539–1552.

Donaire, D. (1994). Considerações sobre a influência da variável ambiental na empresa. Revista de Administração de Empresas, 34 (2), 68-77.

Editora Abril (2010). Revista Exame Melhores & Maiores. São Paulo, SP: Autor.

Editora Abril (2012). Revista Exame Melhores & Maiores. São Paulo, SP: Autor.

Editora Análise (2009). Revista Análise Gestão Ambiental. São Paulo, SP: Autor.

Editora Análise (2011). Revista Análise Gestão Ambiental. São Paulo, SP: Autor.

Elkington, J. (2012). Canibais com garfo e faca. (L.P. Veiga, Trad.). São Paulo: M. Books. (Obra original publicada em 1997).

Felizardo, C. P., & Lemme, C. F. (2010). Relacionamento entre desempenho ambiental e financeiro em iniciativas de ecodesign nas embalagens dos produtos do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. In Anais Eletrônicos do Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. São Paulo.

Freedman, M., & Jaggi, B. (1982). Pollution disclosures, pollution performance and economic performance. Omega – The International Journal of Management Science, 10 (2), 167-176.

Friedman, M. (1970). The social responsibility of business is to increase its profits. The New York Times Magazine, 13 de setembro.

Frozza, C. F., Castro, J. L. N., & Fernandes, F. C. (2006). Desempenho econômico das empresas catarinenses listadas na classificação setorial da BOVESPA no período de 2000-2003. Revista Universo Contábil, 2 (3), 25-43.

Gartner, I. R. (2010). Modelagem multiatributos aplicada à avaliação do desempenho econômico-financeiro de empresas. Pesquisa Operacional, 30 (3), 619-636.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gimenez, C., Sierra, V., & Rodon, J. (2012). Sustainable operations: their impact on the triple bottom line. International Journal of Production Economics, 140 (1), 149-159.

Gitman, L. J. (2004). Princípios de Administração Financeira (A. Z. Sanvicente, Trad.). 10a ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley. (Obra original publicada em 1974).

Gomes, F. P., & Tortato, U. (2011). Adoção de práticas de sustentabilidade como vantagem competitiva. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 5 (2), 33-49.

Gonzalez-Benito J., & Gonzalez-Benito O. (2005). Environmental proactivity and business performance: an empirical analysis. Omega – The International Journal of Management Science. 33 (1), 1-15.

Greeno, J. L., & Robinson, S. N. (1992). Rethinking corporate environmental management. The Columbia Journal of World Business, 27(3-4), 222-232.

Hair, J. F. Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (1998). Multivariate Data Analysis. 5a ed. New Jersey: Prentice-Hall.

Hamilton, J. T. (1995). Pollution as news: media and stock market reactions to the toxics release inventory data. Journal of Environmental Economics and Management, 28 (1), 98-113.

Hart, S. L. (1997). Beyond Greening: strategies for a sustainable world. Harvard Business Review, janeiro-fevereiro.

Hart, S. L. (2006). O capitalismo na encruzilhada: as inúmeras oportunidades de negócios na solução dos problemas mais difíceis do mundo. (L.O. Rocha, Trad.). Porto Alegre: Bookman. (Obra original publicada em 2005).

Hourneaux, F. Jr., Corrêa, H. L., & Gomes, C. M. (2010) Indicadores de sustentabilidade: em busca de um modelo de integração e de diferenciação estratégica para a gestão. In Anais do Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro.

Hunt, C. B. & Auster, E. R. (1990). Proactive environmental management: avoiding the toxic trap. MIT Sloan Management Review, 31 (2), 7-18.

Jabbour, C. J. C. (2010). Non-linear pathways of corporate environmental management: a survey of ISO 14001 - certified companies in Brazil. Journal of Cleaner Production, 18, 1222-1225.

Jabbour, C. J. C., & Santos, F. C. A. (2006). Evolução da gestão ambiental na empresa: uma taxonomia integrada à gestão da produção e de recursos humanos. Revista Gestão e Produção, 13 (3), 435-448.

Jabbour, C. J. C., Teixeira, A. A., Jabbour, A. B. L. S., & Freitas, W. R. S. (2012) Verdes e competitivas? A influência da gestão ambiental no desempenho operacional de empresa brasileiras. Revista Ambiente & Sociedade, 15 (2), 151-172.

Karagozoglu, N., & Lindell, M. (2000). Environmental management: testing the win-win model. Journal of Environmental Planning and Management, 43 (6), 817-829.

Klassen, R. D., & Whybark D. C. (1999). The impact of environmental technologies on manufacturing performance. The Academy of Management Journal, 42 (6), 599-615.

Klassen, R. D., & McLaughlin, C. P. (1996). The impact of environmental management on firm performance. Management Science, 42 (8), 1199-1214.

Krajnc, D., & Glavic, P. A. (2005). A Model for integrated assessment of sustainable development. Resources, Conservation and Recycling, 43, 189-208.

Lanoie, P., Laplante, B., & Roy, M. (1997). Can capital markets create incentives for pollution control? Canadá: École des Hautes Études Commerciales. EUA: The World Bank.

Li, Y. (2014). Environmental innovation practices and performance: moderating effect of resource commitment. Journal of Cleaner Production, 66 (1), 450-458.

Limeira, A. L. F., Silva, C. A. S., Vieira, C., & Silva, R. N. S. (2010). Contabilidade para executivos. 9a ed. Rio de Janeiro: FGV.

Litt, B., Sharma, D., & Sharma, V. (2014) Environmental initiatives and earnings management. Managerial Auditing Journal, 29 (1), 76-106.

Lo, S., & Sheu, H. (2007). Is corporate sustainability a value-increasing strategy for business? Corporate Governance, 15 (2), 345-358.

Lombardi, M. S., & Brito, E. P. Z. (2007). Desenvolvimento sustentável como fator de competitividade. In Anais do Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro.

Maimon, D. (1994). Eco-estratégia nas empresas brasileiras: realidade ou discurso. Revista de Administração de Empresas, 34 (4), 119-130.

Marcus, A. A., & Fremeth, A. R. (2009). Green management matters regardless. Academy of Management Perspectives, 23 (3), 17-26.

Martínez-Ferrero, J., & Frías-Aceituno, J. V. (no prelo). Relationship between sustainable development and financial performance. International empirical research.

Melnyk, S. A., Sroufe, R. P., & Calantone, R. (2003) Assessing the impact of environmental management systems on corporate and environmental performance. Journal of Operations Management, 21 (3), 329–351.

Moreira, R. J. (2000). Críticas ambientalistas à revolução verde. In XXXVII Brazilian Congress of Rural Economic and Sociology – Sober, Workshop 38. Greening of agriculture. Rio de Janeiro.

Porter, M. E., & Linde, C. (1995). Toward a new conception of the environment: competitiveness relationship. Journal of Economic Perspectives, 9 (4), 97-118.

Rohrich, S. S., & Cunha, J. C. (2004). A proposição de uma taxonomia para análise da gestão ambiental no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 8 (4), 81-97.

Roome, N. (1992). Developing environmental management strategies. Business Strategy and the Environment, 1, 11-24.

Russo, M. V., & Fouts, P. A. (1997). A resource-based perspective on corporate environmental performance and profitability. Academy of Management Journal, 40 (3), 534-559.

Sanches, C. S. (2000). Gestão ambiental proativa. Revista de Administração de Empresas. 40 (1), 76-87.

Sarkis, J. (2001) Manufacturing's role in corporate environmental sustainability: concerns for the new millennium. International Journal of Operations & Production Management, 21 (5), 666-686.

Schrickel, W. K. (1999). Demonstrações financeiras: abrindo a caixa preta. São Paulo: Atlas.

Sellitto, M. A., Borchard, T, M., & Pereira, G. M. (2010). Modelagem para avaliação de desempenho ambiental em operações de manufatura. Gestão & Produção, 17 (1), 95-109.

Sharma, S., & Vredenburg, H. (1998) Proactive corporate environmental strategy and the development of competitively valuable organizational capabilities. Strategic Management Journal, 19 (8), 729-753.

Stead, J. G., & Stead, E. (2000). Eco-enterprise strategy: standing for sustainability. Journal of Business Ethics, 24, 313-329.

Strobel, J. S., Coral, E., & Selig, P. M. (2004). Indicadores de sustentabilidade corporativa: uma análise comparativa. In Anais do Encontro da ANPAD. Curitiba.

Venkatraman, S., & Nayak, R.R. (2010). A performance framework for corporate sustainability. International Journal of Business Innovation and Research, 4 (5), 475-490.

Venselaar, J. (1995). Environmental training: industrial needs. Journal of Cleaner Production, 3 (1-2), 9-12.

Wright, C. (2006). Social graces: should social factors be included in valuation models? CFA Institute Magazine, 42-47. Charlottesville.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000