Performance Ambiental em Estabelecimentos de Saúde: Um Estudo de Caso do Hospital Naval Marcílio Dias, Rio de Janeiro - RJ

Elen Lima de Oliveira, Viviane Japiassú Viana, Antony Barbosa Castañon

Resumo


As atividades do setor de saúde estão associadas a aspectos ambientais com potencial significativo de causar impactos ao meio ambiente e à saúde pública. Apesar disso, a questão da performance ambiental em unidades hospitalares ainda é uma preocupação recente no setor. Neste contexto, este artigo avalia a performance ambiental do Hospital Naval Marcílio Dias, um hospital de nível terciário localizado na zona norte da Cidade do Rio de Janeiro. Foram consideradas as medidas eco eficientes já estabelecidas no hospital e coletados dados através de levantamento documental e entrevistas com colaboradores do setor de gestão ambiental. Foram gerados indicadores de performance relativos aos principais aspectos ambientais do estabelecimento de saúde estudado (consumo de água, consumo de energia elétrica e geração de resíduos hospitalares de diferentes tipos) em comparação com valores sugeridos na bibliografia. Os resultados indicam que não houve melhora significativa na ecoeficiência do hospital no período avaliado (2011-2015). Desta forma, este trabalho fornece contribuições valiosas para a avaliação das medidas ambientais adotadas nos hospitais e, sobretudo, para o estabelecimento de diretrizes ambientais mais efetivas para o setor de saúde.

Palavras-chave


Resíduos de Serviços de Saúde; Ecoeficiência; Performance Ambiental; Hospital.

Referências


Agenda Global para Hospitais Verdes e Saudáveis. (2011). O Papel e a Responsabilidade do Setor Saúde. Recuperado em 22 maio, 2016, de http://greenhospitals.net/wp-content/uploads/2012/03/GGHHA-Portugese.pdf.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2006). Cartilha do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde: segundo a RDC 306/04 da Anvisa e Resolução 358/05 do Conama. Recuperado em 19 setembro, 2016, de http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/manual_gerenciamento_residuos.pdf

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2004). Resolução RDC Nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde.

BCSD Portugal. (2013). A Ecoeficiência na vida das empresas. Mai 2013. Recuperado em 16 outubro, 2016, de http://www.bcsdportugal.org/wp-content/uploads/2013/10/BEE-Manual-do-Formando.pdf

Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. (2017). Recuperado em 1 março, 2017, de http://www.cns.org.br/links/DADOS_DO_SETOR.htm

Centro Nacional de Producción Más Limpia y Tecnologias Ambientales. (2001). Guia Sectorial de Producción Mas Limpia: Hospitales, Clínicas y Centros de Salud. Recuperado em 16 outubro, 2016, de http://www.cnpml.org/templates/panalVerde/images/publicaciones/GuiaSectorialDePMLEnHospitalesClinicasyCentrosDeSalud.pdf

Conselho Nacional de Meio Ambiente. (2005). Resolução Conama Nº 358, de 29 de abril de 2005 – Dispõe sobre tratamento e a disposição final dos resíduos sólidos oriundos dos serviços de saúde e dá outras providências.

Freitas, I. M, & Silva, M.A. (2012). A importância do gerenciamento de resíduos do serviço de saúde na proteção do meio ambiente. Estudos, Goiânia: v.39, n.4, p.493-505, out. /dez. 2012. Recuperado em 19 setembro, 2016, de http://seer.ucg.br/index.php/estudos/article/viewFile/2663/1625

Garcia, L. P, & Zanetti-Ramos, B. G. (2004). Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde: uma questão de biossegurança. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(3): 744-752, mai-jun, 2004. Recuperado em 19 setembro, 2016, de http://www.scielo.br/pdf/csp/v20n3/11.pdf

Hospital Sírio-libanês (2016). Preservação ambiental e ecoeficiência. Recuperado em 22 maio, 2016, de https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/responsabilidade-social/integracao-comunidade/Paginas/preservacao-ambiental-ecoeficiencia.aspx#sthash.1sMtgaFH.dpuf

Lima, E. L. L. L., & Dias, S. M. F. (2005). Intervenção educacional para o gerenciamento dos resíduos de serviço de saúde gerados no hospital geral. Clériston Andrade, Feira de Santana, Bahia. 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Recuperado em 19 setembro, 2016, de http://www.bvsde.paho.org/bvsacd/abes23/III-234.pdf

Maranhão, R. A., Souza, M. T. S., & Teixeira, C. E. (2015). Gestão de resíduos de serviço de saúde em organização militar: um estudo de caso na Marinha do Brasil. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 12, n. 2, p. 44-60, 2015. Recuperado em 15 maio, 2016, de http://revistas.face.ufmg.br/index.php/rahis/article/viewFile/2380/1566

Marinha do Brasil. (2015). Programa de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde do Hospital Naval Marcílio Dias.

Melo, L. A, Sautter, K.D, & Janissek, P.R. (2009). Estudo de cenários para o gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos de Curitiba. Revista de Engenharia Sanitária Ambiental, v.14 n.4, out/dez 2009. Recuperado em 28 outubro, 2016, de http://www.scielo.br/pdf/esa/v14n4/15.pdf

Nóbrega, P. M. (2012). Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde: um estudo de caso. Trabalho de Conclusão de Curso. Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra. Recuperado em 2 novembro, 2016, de http://www.esg.br/images/Monografias/2012/NOBREGA.pdf

Raad et al. (2012). Ações do Programa de Eficiência Energética da Light em Hospitais do Rio de Janeiro. XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012 - 22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ – Brasil. Recuperado em 2 novembro, 2016, de http://www.cgti.org.br/publicacoes/wp-content/uploads/2016/03/Ac%CC%A7o%CC%83es-do-Programa-de-Eficiencia-Energe%CC%81tica-da-Light-em-Hospitais-do-Rio-de-Janeiro.pdf

Sisinno, C. L. S, & Moreira, J. C. (2005). Ecoeficiência: um instrumento para a redução da geração de resíduos e desperdícios em estabelecimentos de saúde. Cad. Saúde Pública vol.21 n.6 Rio de Janeiro Nov./Dec. 2005. Recuperado em 19 setembro, 2016, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000600039so

Toledo, A.F, & Demajorovic, J. (2006). Atividade Hospitalar: Impactos Ambientais e Estratégias de Ecoeficiência. Recuperado em 20 maio, 2016, em http://www.revistas.sp.senac.br/index.php/ITF/article/viewFile/437/380

Viriato, A, & Moura, A. (2011). Ecoeficiência e economia com a redução dos resíduos infectantes do Hospital Auxiliar de Suzano. O Mundo da Saúde, São Paulo: 2011;35(5):305-310. Recuperado em 15 junho, 2016, de http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/86/305a310.pdf

World Business Council for Sustainable Development. (2000). A ecoeficiência: criar mais valor com menos impacto. Recuperado em 22 maio, 2016, de http://www.bcsdportugal.org/wp-content/uploads/2013/11/publ-2004-Eco-eficiencia.pdf


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000